É mais difícil do que parece

quinta-feira, 25 de maio de 2017

♦︎ Hoje eu acordei e queria vomitar. Não vomitei. Depois de algumas tarefas senti meus dedos dormentes, nada de novo. Pelo menos não foi como das outras vezes que com as mão trêmulas eu mal conseguia segurar um garfo. Sem mencionar todas as dores de cabeça que tive essa semana. Fechar os olhos, tapar os ouvidos. Dormir à tarde parece um luxo, mas é necessidade. Não tenho pra onde fugir. ♦︎ Eu me inscrevi num programa de ajuda com psicólogos. A lista de espera é grande, meu problema parece pequeno. Todos os privilégios que guardo no bolso, mas se comento é como se fosse uma boba por estar sofrendo assim. A verdade é que a vergonha é a maior de todas as doenças. Só de pensar meus olhos enchem de lágrimas. E se me descobrirem? "Que farsa!". ♦︎ “Um dia de cada vez”, mas sinto falta dos dias em que a falta de atenção era minha única preocupação. E de todas as tardes que desperdicei, mesmo deixando a culpa me consumir. Mas ninguém vê quando eu preciso de ajuda. O mundo está em pedaços. Quem sou eu na fila do pão de uma padaria qualquer? ♦︎

2 comentários:

  1. Carolina, do céu! Que texto lindo. Ele é pequeno no tamanho e grandioso na composição. Parabéns pela forma magnífica com que você expressa os sentimentos do seu narrador aqui!

    Beijos,

    Algumas Observações

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

      Excluir