quinta-feira, 19 de dezembro de 2013

Eu iria, mas dessa vez eu realmente fui.

Crônicas de uma adolescente vazia

  Acordei novamente numa manhã de férias sem saber o que fazer. Minha mãe já gritava, já jogava as coisas dentro do meu quarto, eu não queria saber o motivo daquele estresse. Eu não queria entender o que se passava com a minha família. Outra ligação perdida do meu pai. Não quis atender, fingi não ver.  Eu não queria estar ali de novo. Sai sem rumo na rua, para respirar. Mas ver os enfeites de natal me entristeceu ainda mais.
  Eu acordei vazia nessa manhã, não queria sentir, não queria pensar, não queria. Ver que ninguém entendia como eu me sentia, me fez chorar nessa manhã. Eu pularia de um penhasco, eu mergulharia num rio, eu estava vazia. Arrancaram tudo que valia, eu estava vazia. Eu não queria explicar, eu não queria demonstrar, eu não queria.

Não sei

Chorar quando se está triste
Gritar quando se está irritada
Respirar quando se está estressada
Levantar quando se está no chão

Sou um vulcão de sentimentos
Sentimentos repreendidos
Guardados à sete chaves

Não sei me expressar
Não sei demosntrar
Não sei



"Do que adianta viver se não houver futebol e carnaval?"

quarta-feira, 18 de dezembro de 2013

  Comecei minha carreira muito jovem, com 10 anos já tinha que ajudar com a renda lá de casa com o pouco que ganhava numa indústria. Cresci, me formei e logo consegui um cargo mais importante na empresa. Nunca parei de trabalhar, de estudar. A sociedade impôs, e logo depois me casei e tive 3 belas filhas. Sempre fui um homem muito racional. Mas uma coisa eu não abria mão, nem mesmo com muita reflexão: meu futebol e o baile de carnaval. Quando adolescente, achava que era bobagem, que eu deveria apenas focar no trabalho, esquecendo essas besteiras que te tiram da realidade, que são apenas uma forma de "pão e circo".
  Um homem muito sábio uma vez me disse: "Do que adianta viver se não houver futebol e carnaval? Somos movidos pelo desejo, o prazer é fundamental.".  



terça-feira, 10 de dezembro de 2013

Não grita comigo
Não me chama de frígida
Olha nos meus olhos e diz
Que não gostaria de me ter aí

O que passou, passou
O que importa é o que virá

Segunda de manhã.

sábado, 7 de dezembro de 2013

Estava pensando em você pra variar e notei que eu nunca te disse como eu amo o jeito que você me olha. 
Nunca te disse o quanto seu sorriso me faz bem, nem como eu amo o jeito que você arruma o cabelo. 
Percebi que eu nunca te falei que você é o único motivo pra que eu levante da cama numa segunda de manhã.

Desculpa

Desculpa pelo egoísmo
Desculpa pela infantilidade
Desculpa pelo medo
Desculpa pela frieza
Desculpa pela ignorância
Desculpa pela falta de carinho
Desculpa pela ingratidão
Desculpa pelo estresse
Desculpa pelo meu modo
Desculpa por te fazer sofrer





Te amo. 

Por favor

Queria que você pudesse olhar no fundo dos meus olhos vermelhos agora
Que gritam desesperadamente que fique
Que imploram que você não vá

Sentimentos
Depressão
Meio-termo

Queria que você me visse agora
Que me abraçasse e visse que eu preciso de você
Que eu não sei viver sem você

Por favor, não vai
Por favor, fica
Por favor, eu te amo
Por favor

Tô com medo, me atende?

sexta-feira, 8 de novembro de 2013

Vai, balança
Aquela sensação de insegurança
Bate, fica
Tenho medo do que vem em seguida

Pensamentos distantes
Atitudes estranhas
Medo
Medo mesmo 
Sim, medo. 

Chama, chama, chama
Ninguém atende
Cadê a voz que me acalma? 
Chama, chama, chama
Não quero deixar mensagem 

Só queria ouvir sua voz antes de dormir. 

Cabeça cheia de pensamentos negativos
Coração apertado
Atender o telefone, é tudo o que eu te peço. 

Parece que as pessoas só enxergam o que eu faço de errado...

terça-feira, 5 de novembro de 2013

Me olhe
Me note
Eu fiz a Lua aparecer

Olha pra cá
Olha pra mim
Eu fiz uma flor nascer

Querendo chamar atenção
em vão.

Depois de mil dias fazendo o Sol nascer
Eu viro meu mundo, me perco por um segundo
E só então você me vê

A Garota de Fora

quinta-feira, 31 de outubro de 2013

Fora da cidade
Fora do padrão
Fora de si
Fora do contexto
Fora do controle
Fora da paz
Fora da guerra

Fora de mim

A Outra Morte Que Não Há Morte

Fragilidade e estupidez 
Medo da morte
Que chega e te leva
Sem que eu possa me opor
Leva junto os momentos
as felicidades mas não a dor

Medo da morte que te atraí 
Com um canto encantador
Diz que é melhor do que eu
Que só te oferece meu amor 

Medo incontrolável 
Me faz perder a cabeça
Faz com que eu queria 
Matar um 
Com a morte da minha maior fraqueza  

Poema de Uma Adolescente Em Crise

segunda-feira, 28 de outubro de 2013

Fernanda vivia naquele dilema
Não sabia se era a hora ou deveria esperar
Ela dizia que se sentia segura
Mas que ia deixar como está

Fernanda sentia que precisava pensar
Não queria que fosse em qualquer dia, em qualquer lugar
Ela queria que fosse especial
Mas quis deixar par lá

 Fernanda estava certa de seus sentimentos
Não queria deixar pra depois
Ela queria aproveitar logo o momento
Mas não queria que ele fosse tão passageiro

Fernanda tinha medo do que aconteceria depois
Não queria decepcionar alguém
Ela queria ter certeza de si mesma
Mas já estava na hora

Fernanda guardou seu dilema.
Fernanda achou melhor deixar os planos pra lá.
Fernanda queria esperar.
Fernanda viu que já estava na hora.

Fernanda não fez nada.

Tá frio

domingo, 29 de setembro de 2013

Tá frio
Mas deixe as janelas abertas pro ar entrar
Deixa o ar bater na minha cara
Até eu ficar sem respirar
Deixa o vento passar
Até meu nariz congelar
Deixa o ar deixar
Meus dedos gelados como a água do mar 
Deixa o frio dessa noite de primavera congelar meus dedos do pé 
Até você chegar

Que o vento te traga para cá

Especial de um ano

quarta-feira, 18 de setembro de 2013

Encontrar alguém assim é difícil
Alguém que é mais que um amigo
Alguém pra contar

Eu não tinha esperanças
Achava que o amor era mentira
Mas eu estava enganada
O melhor estava por vir

Te encontrei meio de propósito
Querendo chamar sua atenção
Mas quem diria que um dia
Você teria meu coração

Nosso amor era puro e nítido
Com ciúmes, a vida quis nos separar
Assim colocou vários obstáculos
Esperando que fôssemos terminar

Estava só começando
A estrada de subidas e descidas
Que nos proporcionou a vida
E nos trouxe à esse lugar

Provamos para nós mesmos
Que nosso amor é verdadeiro
E que nossa história só acabou de começar

E depois de um ano de namoro
Eu queria te agradecer por tudo
E dizer ao mundo que eu tenho alguém pra amar



Cat-arina

segunda-feira, 9 de setembro de 2013

A alergia não permitia
Minha mãe não deixava
Um cachorro eu já tinha 

Mas uma noite apareceu no corredor
Um gato preto de olho amarelo
Com fome e com sede, procurando por amor
Lhe dei comida, lhe dei água
Ela foi embora na mesma madrugada

Na noite seguinte ela retornou
E foi assim até que a gente adotou
A gatinha chamada Catarina 

E eu que me sentia tão sozinha
Encontrei uma amiga
Que nunca mais me abandonou

Filhos

domingo, 8 de setembro de 2013

Quero ter filhos
Quero ensina-los andar de skate
Quero falar com eles sobre a vida
Quero que eles perguntem
Quero que eles descubram
Quero leva-los em parques e praias
Quero leva-los em shows de rock
Quero que eles sejam pessoas boas
Quero que eles tenham uma família unida

Quero que meus filhos sejam felizes.

Sem título 6

terça-feira, 3 de setembro de 2013

Deposito no banco de dados
Os beijos guardados
Que quero entregar pessoalmente

Planejo em segredo 
Momentos em que retiro todo os beijos 
E lhe entrego, junto ao meu bem mais precioso
Meu coração

Esperto que guarde à sete chaves
Junto aos meus segredos 

Sem título 5

A vida me mostrou
Que tudo tem seu lado positivo
Que nem tudo está perdido
É só saber viver

A vida me ensinou
Que perdemos e ganhamos
Que não adianta fazer planos
Que a energia é nosso guia

A vida me apresentou
Um cara incrível
Que além de amigo
Eu posso chamar de 'Amor'

Sem Título 4

segunda-feira, 2 de setembro de 2013

Não tenho medo do escuro
Mas tenho medo da luz
Não tenho medo da morte
Mas tenho medo da vida
Não tenho medo de mim
Mas tenho medo do que sinto
Não tenho medo do futuro
Mas tenho medo das minhas decisões
Não tenho medo da solidão
Mas tenho medo do esquecimento
Não tenho medo do amor
Mas tenho medo da onde ele vai me levar
Não tenho medo do que há por vir
Mas tenho medo que te tirem de mim 

Sem título 3

Tempo que passa
Memória apagada
Depressão convertida
Em doença agravada

O homem que partiu
Com sua memória, seu coração
Na cama, ela espera por alguém
Ela espera encontra-lo em seus mais profundos sonhos

Ela mal fala, ela não lembra
Ela não sabe quem eu sou
Ela não sabe onde mora
Ela quer ele de volta

Ela sofre.

Fim de Semana

domingo, 1 de setembro de 2013

O dia virou noite
Mas ainda é domingo
Amanhã eu tenho prova
Mas sinceramente eu nem ligo

Te ter aqui me alegrou
Te ver partir me entristeceu
Nessa dúvida de sentimentos
Espero pelo próximo sábado
Que eu vou me encontrar nos lábios/braços teus


Sem título 2


Não há destino
Só o que há escrito
Nas linhas que virão
De uma vida que se rege 

Esperando o tempo passa
Só mais um nível desse jogo
De desconhecido objetivo 
Sobreviver, sonhar
Ser feliz, compartilhar
Amar. 

Sem título

Vivendo na esperança
De um dia conseguir
Um novo caminho
Uma estrada pra seguir. 

Sigo mesmo assim 
Infeliz com o presente
Vivendo no passado
Pelo futuro à minha frente

Saudade

Palavra só existente em duas línguas
Palavra que define o que eu sinto, o que sou
Palavra que expressa sentimento de perda, nostalgia

Sou saudade de você aqui perto de mim
Saudade de você comigo e o skate
Saudade de nós dois juntos no jardim

Saudade é a mãe sem o filho
É a família do jovem que viaja pelo mundo 
É a mulher sem o marido

Saudade sou eu
Saudade é você
Saudade é tudo que eu olho
Saudade é tudo que eu respiro
Saudade é tudo que sinto

Tenho saudade de você